O câncer de próstata afeta uma glândula localizada abaixo da bexiga e adiante do reto, cuja função é produzir sêmen, o material biológico que contém os espermatozóides. Como qualquer outro tipo de doença maligna, esse câncer também se origina da divisão e da multiplicação desordenada das células, que efetivamente formam a lesão e podem se espalhar pela corrente sangüínea, atingindo outros órgãos e tecidos do corpo.

Em decorrência do diagnóstico tardio, o câncer de próstata continua sendo o segundo tumor maligno que mais faz vítimas entre os homens, só perdendo para o câncer de pulmão. O número de casos vem crescendo mundialmente a cada ano, um pouco pela maior capacidade diagnóstica, é verdade, mas, sobretudo, pelo aumento da expectativa de vida da população mundial. A doença, afinal, tem predileção por homens com mais de 50 anos – aos 75 anos, metade da população masculina desenvolve o tumor.

Apesar da alta incidência e da elevada mortalidade associada a esse câncer, a detecção precoce aumenta muito suas chances de cura e de controle. Daí a importância do rastreamento periódico de lesões suspeitas para todo homem a partir da quinta década de vida.

Fonte: Núcleo Educacional Científico do Grupo Fleury

Anúncios