A Polícia Civil apreendeu no Fleury Hospital-Dia, em Higienópolis (região central de São Paulo), dez caixas de um remédio contra o câncer que haviam sido roubadas de uma farmácia pública da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo.

De acordo com o delegado Sérgio Norcia, a polícia abriu um inquérito ontem (21) para investigar se o Fleury sabia ou não que os remédios tinham origem criminosa.

O Fleury, uma das principais empresas de exames médicos do Brasil, afirma que comprou os medicamentos de maneira legal de uma distribuidora. O dono dessa distribuidora, porém, foi preso pela polícia no mês passado.

Cada caixa de Mabthera, uma droga de alta tecnologia contra o linfoma (câncer do sistema linfático), custa cerca de R$ 8.000. A Secretaria da Saúde, em razão de descontos obrigatórios definidos por lei, paga perto de R$ 6.000. Os investigadores querem saber se o hospital do Fleury pagava pelo remédio apreendido preços mais baixos que os do mercado.

Essa apreensão foi um dos resultados da Operação Medula, montada pela Polícia Civil com a colaboração da Secretaria da Saúde. O ponto alto da operação foi na sexta passada, dia em que nove pessoas foram presas sob a acusação de pertencer a uma quadrilha que roubava e furtava remédios de hospitais e farmácias públicas de São Paulo e os revendia a 50 cidades de todo o país.

Os investigadores já sabem que o esquema incluía empresas distribuidoras de medicamentos e funcionários e vigias dos hospitais e das farmácias. A Secretaria da Saúde estima em R$ 40 milhões o prejuízo provocado pela quadrilha.

A polícia chegou ao hospital-dia Fleury também na sexta, após ouvir os detidos e mapear as vendas. Pelo número do lote, descobriram que aquelas caixas de Mabthera eram as mesmas que haviam sido roubadas em março passado numa farmácia da Secretaria da Saúde localizada na Vila Mariana (zona sul).

Hospital-dia é um tipo de hospital onde os pacientes se internam por poucas horas, para se submeter a cirurgias simples ou para receber medicamentos como o Mabthera.

Outros 20 hospitais e clínicas de São Paulo foram inspecionados na sexta. Além do Fleury, será investigada a clínica Oncológica Serviços, de Santa Cecília (região central), onde foi apreendida uma caixa roubada de Mabthera. A Folha não conseguiu falar com a Oncológica.

Fonte: Folha de São Paulo, por Paulo Westtin e Márcio Pinho. Setembro 22, 2009.

Anúncios