42ª Reunião Anual da ASCO (Sociedade Americana de Oncologia Clínica) 2006 em Atlanta, Geórgia.

Merck KGaA divulga um rico manancial de dados sobre Erbitux(R) (cetuximab) na Reunião Anual da ASCO.

Dados apresentados na 42ª Reunião Anual da ASCO (American Society of Clinical Oncology – Sociedade Americana de Oncologia Clínica) sobre um estudo clínico envolvendo 1.147 pacientes com câncer colorretal metastático cujo tratamento anterior com base em irinotecan falhou, revelam que a terapia de câncer direcionada, de Erbitux(R) (cetuximab) com irinotecan, apresentou uma sobrevivência média de 9,2 meses.(1) Estes resultados confirmam claramente em mais de 1.000 pacientes a eficácia e segurança de Erbitux com irinotecan em pacientes que com tratamentos anteriores e fornecem comprovação adicional de que Erbitux cumpre o que prometeu.

Ficamos muito entusiasmados com os resultados apresentados aqui“, disse o professor Hansjochen Wilke, Kliniken Essen Mitte, em Essen, na Alemanha, investigador chefe do estudo. “O tratamento de pacientes cuja doença não responde mais às quimioterapias normais é um desafio para os médicos. Erbitux com irinotecan comprovou ser um tratamento altamente efetivo para estes pacientes e foi estabelecido como tratamento padrão para pacientes cuja terapia anterior com base em irinotecan falhou“.

O estudo, denominado como MABEL[a], foi realizado em 197 centros em oito países europeus e avaliou taxas de sobrevivência sem evolução da doença em pacientes com câncer colorretal metastático cuja terapia anterior com base em irinotecan falhou. Os pacientes receberam tratamento de Erbitux combinado com irinotecan. A taxa de sobrevivência sem evolução da doença foi de 61 por cento após 12 semanas e de 34 por cento após 24 semanas, confirmando claramente a eficácia desta opção de tratamento constatada em estudos anteriores. (1)

Adicionalmente, as descobertas preliminares de um estudo clínico de Erbitux e quimioterapia em pacientes com câncer colorretal metastático sem tratamento prévio foram relatadas pelo médico Alan Venook, professor de medicina na Universidade da Califórnia, em São Francisco, em nome da CALGB[b]. Pacientes com câncer colorretal metastático sem tratamento foram inscritos no estudo e selecionados aleatoriamente para receber quimioterapia (randomizada entre irinotecan/5FU/LV [FOLFIRI] ou oxaliplatina/ 5FU/LV [FOLFOX]) ou quimioterapia com Erbitux. O estudo, CALGB 80203, começou em 2004, com previsão inicial de recrutamento de cerca de 2.200 pacientes. Encerrou-se a inscrição após acumular 238 pacientes, devido à evolução do atendimento padrão no tratamento de primeira linha de câncer colorretal metastático . O principal objetivo final do estudo era a taxa geral de sobrevivência e entre os objetivos secundários incluíam-se a taxa de resposta, a sobrevivência sem evolução da doença e toxicidade. Como houve o encerramento prematuro do estudo, não foi capaz de gerar uma análise estatística de sobrevivência em geral e sem evolução da doença, sendo impossível tirar quaisquer conclusões. Entretanto, a taxa de resposta entre os pacientes tratados com a combinação de Erbitux e quimioterapia foi significativamente mais elevada do que a dos pacientes tratados somente com quimioterapia (52 por cento versus 38 por cento, respectivamente, p=0,029). (2)

Investigação de uma programação alternativa de dosagem de Erbitux
Dados adicionais apresentados na Reunião Anual da ASCO revelam que a administração de Erbitux a cada duas semanas (em vez do padrão atual de dosagens semanais) pode ser uma programação alternativa de dosagem para os pacientes.(3) Foi possível comprovar que a administração de 500 mg de Erbitux por metro quadrado de superfície corporal a cada duas semanas apresentou resultados farmacocinéticos semelhantes em comparação com o padrão atual de regime de dosagem semanal de 250 mg por metro quadrado de superfície corporal. Este resultado é de suma importância, porque fornece aos pacientes e oncologistas a conveniência de uma dosagem flexível.

Estudos fase III de Erbitux continuarão conforme planejado
Também foram apresentados na conferência os resultados preliminares de diversos estudos clínicos internacionais de fase III envolvendo mais de 4.000 pacientes, revelando que DSMBs (Data Safety Monitoring Boards – Conselhos de monitoração da segurança dos dados) independentes recomendaram a continuação dos estudos sobre Erbitux.(4-7) Estes estudos clínicos de fase III referem-se a tipos difíceis de câncer, inclusive câncer colorretal metastático , carcinoma de célula escamosa da cabeça e pescoço (SCCHN – Squamous Cell Carcinoma of the Head and Neck) e câncer de pulmão de células não-pequenas (NSCLC – Non-Small-Cell Lung Cancer).(4-7)

Estão em andamento dois grandes estudos fase III sobre câncer colorretal metastático: EPIC[c],(4) (examinando o uso de Erbitux em combinação com irinotecan após falha da quimioterapia com base em oxaliplatina em 1.301 pacientes) e CRYSTAL[d],(5) (investigando Erbitux com irinotecan em 1.221 pacientes como tratamento de primeira linha). Estes resultados levam em conta a continuação dos estudos fase III investigando e ampliando os estudos fase II já excepcionais, que apresentaram de modo sistemático taxas de resposta elevadas de até 81 por cento no tratamento de primeira linha de câncer colorretal metastático . Isto permitiu a remoção por cirurgia de suas metástases previamente inoperáveis com disseminação para o fígado, de quase um em cada quatro pacientes. (8,9,10) Até o momento, a única abordagem nos casos de câncer colorretal metastático com esperança de cura é a remoção cirúrgica das metástases encontradas principalmente no fígado.(11,12)

O ensaio fase III EXTREME [e],(6) investiga o tratamento de primeira linha de Erbitux em combinação com quimioterapia (cisplatina com 5-FU ou carboplatina com 5-FU) em 442 pacientes com SCCHN recorrente e/ou metastático.

O estudo fase III FLEX [f],(7) examina os benefícios para sobrevivência do uso de primeira linha de Erbitux com quimioterapia (cisplatina e vinorelbina) versus quimioterapia isoladamente em 1.125 pacientes com NSCLC avançado.

Os dados sobre Erbitux apresentados na Reunião Anual da ASCO deste ano reforçam a eficácia notável na terapia de primeira linha e linhas posteriores em pacientes com câncer colorretal metastático cuja quimioterapia anterior falhou“, declarou o Dr. Wolfgang Wein, vice-presidente sênior de Comercialização Global de Oncologia na Merck KGaA. “Ficamos também muito satisfeitos com os dados novos revelando a possibilidade de administrar Erbitux segundo programação a cada duas semanas“.

Sobre ERBITUX
ERBITUX(R) é o primeiro anticorpo monoclonal da sua categoria IgG1, altamente ativo, direcionado para o receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR – Epidermal Growth Factor Receptor). Como anticorpo monoclonal, o modo de atuação de Erbitux é distinto dos tratamentos padrão de quimioterapia não-seletiva em que há um direcionamento específico e ligação com o EGFR. Esta ligação inibe a ativação do receptor e o caminho subseqüente de transdução do sinal, que provoca a redução tanto da invasão dos tecidos normais pelas células do tumor, quanto da disseminação dos tumores para novos locais. Acredita-se também que iniba a capacidade das células do tumor de repararem os danos gerados pela quimioterapia e radioterapia, além de inibir a formação de novos vasos sangüíneos dentro dos tumores, o que leva aparentemente a uma supressão geral do crescimento do tumor. O efeito colateral do Erbitux relatado mais comumente é uma erupção da pele tipo acne, que parece ter correlação com uma boa resposta à terapia. Em aproximadamente cinco por cento dos pacientes, podem ocorrer reações de hipersensitividade durante o tratamento com Erbitux; cerca de metade destas reações foi grave.

Erbitux já obteve autorização de comercializar o tratamento de câncer colorretal em 53 países: Suíça, EUA, México, Argentina, Chile, Islândia, Noruega, União Européia, Peru, Austrália, Croácia, Israel, Bulgária, Panamá, Guatemala, Colômbia, Cingapura, Hong Kong, Coréia do Sul, Canadá, Equador, Malásia, Filipinas, Taiwan, China, Índia, Líbano, Venezuela e Nicarágua para uso em combinação com irinotecan em pacientes com câncer colorretal metastático expressando EGFR, cuja terapia anterior com irinotecan falhou. Nos EUA, Argentina, Chile, México, Peru, Cingapura, Austrália, Panamá, Colômbia, Guatemala, Hong Kong, Canadá, Equador, Filipinas, Líbano, Venezuela e Nicarágua, Erbitux recebeu também aprovação como agente único.

Erbitux em combinação com radioterapia recebeu ainda aprovação para o tratamento de carcinoma de célula escamosa avançado localmente na cabeça e pescoço (SCCHN) na Suíça, Argentina, Colômbia, EUA, União Européia, Noruega, Islândia e Filipinas. Na Argentina, EUA e Filipinas, Erbitux recebeu também aprovação como monoterapia em pacientes com SCCHN recorrente e/ou metastático cuja quimioterapia anterior falhou.

Sobre a Merck KGaA
A Merck KGaA, de Darmstadt, na Alemanha, obteve licença da ImClone Systems Incorporated de Nova York, em 1998, para o direito de comercializar Erbitux fora dos EUA e Canadá. No Japão, a Merck KGaA têm direitos exclusivos de comercialização em conjunto com a ImClone
Systems.

A Merck KGaA tem um compromisso constante com o progresso no tratamento oncológico e investiga atualmente terapias inovadoras em áreas altamente específicas, tais como o uso de Erbitux em câncer colorretal, carcinoma de célula escamosa da cabeça e pescoço e câncer de pulmão de células não-pequenas. A Merck KGaA adquiriu também os direitos para o tratamento de câncer com UFT(R) (tegafur-uracil) – uma quimioterapia oral administrada com ácido folínico (FA – Folinic Acid) para o tratamento de primeira linha de câncer colorretal metastático.

Entre outros tratamentos de câncer, a Merck KGaA investiga também o uso de Stimuvax(R) (anteriormente denominado como ‘BLP25 Liposome Vaccine’) no tratamento de câncer de pulmão de células não-pequenas. A vacina recebeu da FDA o status de trâmite acelerado (‘fast-track’), em setembro de 2004. A Merck obteve os direitos exclusivos de licenciamento mundial da Biomira Inc. de Edmonton, em Alberta, no Canadá, com exceção do Canadá onde as empresas irão compartilhar os direitos.

Referências:
1. Wilke H et al. Poster presentation at ASCO, Atlanta, Georgia, 2006; ID number 3549 [Wilke H et al. Apresentação de pôster na ASCO, Atlanta, Geórgia, 2006; número de identificação 3549]

2. Venook A et al. presentation at ASCO, Atlanta, Georgia, 2006; ID number 3509 [Venook A et al. apresentação na ASCO, Atlanta, Geórgia, 2006; número de identificação 3509]

3. Tabernero J et al. Poster presentation at ASCO, Atlanta, Georgia, 2006; ID number 3085 [Tabernero J et al. Apresentação de pôster na ASCO, Atlanta, Geórgia, 2006; número de identificação 3085]

4. Abubakr Y et al. Poster presentation at ASCO, Atlanta, Georgia, 2006: ID number 3556 [Abubakr Y et al. Apresentação de pôster na ASCO, Atlanta, Geórgia, 2006: número de identificação 3556]

5. Lang I et al. Poster presentation at ASCO, Atlanta, Georgia, 2006: ID number 3555 [Lang I et al. Apresentação de pôster na ASCO, Atlanta, Geórgia, 2006: número de identificação 3555]

6. Vermorken J et al. Poster presentation at ASCO, Atlanta, Georgia, 2006; ID number 5537 [Vermorken J et al. Apresentação de pôster na ASCO, Atlanta, Geórgia, 2006; número de identificação 5537]

7. Von Pawel J et al. Poster presentation at ASCO, Atlanta, Georgia, 2006; ID number 7109 [Von Pawel J et al. Apresentação de pôster na ASCO, Atlanta, Geórgia, 2006; número de identificação 7109]

8. Diaz Rubio E et al. Presented at ASCO, Orlando, Florida, 2005: abstr 3535 [Diaz Rubio E et al. Apresentado na ASCO, Orlando, Flórida, 2005: resumo 3535]

9. Folprecht G et al. Cetuximab and irinotecan/5-fluorouracil/folinic acid is a safe combination for the first-line treatment of pacientes with epidermal growth factor receptor expressing metastatic colorectal carcinoma. Ann Oncol 2006; 17: 450-456 [Folprecht G et al. Cetuximab e irinotecan/5-fluorouracil/[acido folínico é uma combinação segura para o tratamento de primeira linha de pacientes com receptor de fator de crescimento epidérmico expressando carcinoma colorretal metastático. Ann Oncol 2006; 17: 450-456]

10. Peeters M et al. Eur J Cancer 2005; Supplement 3: Abstract 664 [Peeters M et al. Eur J Cancer 2005; Suplemento 3: Resumo 664]

11. Macdonald JS. Adjuvant Therapy of Colon Cancer. CA Cancer J Clin 1999; 49 (4), 202-219. [Macdonald JS. Terapia Auxiliar de Câncer de Cólon. CA Cancer J Clin 1999; 49 (4), 202-219]

12. Mineo TC et al. Long term results after resection of simultaneous and sequential lung and liver metastases from colorectal carcinoma. J Am Coll Surg 2003; 197: 386-391. [Mineo TC et al. Resultados a longo prazo após ressecção de metástases de pulmão e fígado simultâneas e seqüenciais de carcinoma colorretal. J Am Coll Surg 2003; 197: 386-391]

[a] Monoclonal Antibody Erbitux in a European Pre-License Study [Anticorpo monoclonal Erbitux em estudo europeu de pré-licenciamento]
[b] The Cancer and Leukemia Group B [Grupo B de câncer e leucemia]
[c] European Prospective Investigation of Cancer [Investigação exploratória européia sobre câncer]
[d] Cetuximab combined with iRinotecan in first-line therapY for metaSTatic colorectAL cancer [Cetuximab combinado com irinotecan em terapia de primeira linha de câncer colorretal metastático]
[e] ErbituX in first-line Treatment of REcurrent or MEtastatic head & neck cancer [ErbituX no tratamento de primeira linha de câncer de cabeça e pescoço recorrente ou metastático]
[f] First-line in Lung cancer with ErbituX [Primeira linha em câncer de pulmão com Erbitux]

Fonte: UMerck KGaA. Junho, 22, 2006.

O Blog Virgem em Câncer e Lua na Esperança! reúne sob diversas categorias e tags centenas de posts dedicados à busca da melhoria de qualidade de vida, e cura, de pacientes oncológicos, bem como prevenção. Contudo não trata o Blog do que não lhe é pertinente: fazer o papel de médicos especialistas. Procure sempre um especialista da área que busca informação. Informação é sempre a melhor ferramenta. Converse com seu médico.