Possível relação entre personalidade e câncer de mama faz parte de conversas leigas. Holandeses acompanharam 9 mil mulheres durante 13 anos e descartaram hipótese.

O câncer de mama vem crescendo em importância na saúde das mulheres, estando entre as principais causas de morte feminina no mundo ocidental. Somente no Brasil foram, em 2005, mais de 10 mil mortes, segundo o Ministério da Saúde. A possível relação entre um específico traço de personalidade e o câncer de mama faz parte de conversas leigas sobre o tema. Praticamente todos têm uma opinião e tentam reforçá-la com casos conhecidos.

Em 1989, um grupo de pesquisadores holandeses decidiu iniciar um estudo que esclarecesse a questão. Os dados iniciais apontavam para uma resposta afirmativa, indicando que pessoas com mais dificuldade em lidar com problemas poderiam sofrer da doença com mais freqüência.

A pesquisa foi concluída em 2003, com mais de 9 mil mulheres, acompanhadas durante 13 anos. As participantes responderam a questionários específicos ao comportamento de cada uma e foram avaliadas em consultas bianuais. O resultado está publicado na última edição da revista “Journal of National Cancer Institute”.

As mulheres do grupo que desenvolveram tumores malignos da mama tiveram suas avaliações psicológicas comparadas às que não desenvolveram a doença.

Os pesquisadores identificaram mais de 10 traços de personalidade diferentes nas mulheres pesquisadas e puderam chegar a uma conclusão definitiva: nenhuma das características de personalidade foi estatisticamente relacionada ao aparecimento ou desenvolvimento dos tumores de mama.

Agora é descansar e, como diria Chico Buarque, se guardar para quando o carnaval, daqui a um ano, chegar.

font size=”1″Fonte: por Luis Fernando Correia para o Portal G1. Fevereiro, 7, 2008.

O Blog Virgem em Câncer e Lua na Esperança! reúne sob diversas categorias e tags centenas de posts dedicados à busca da melhoria de qualidade de vida, e cura, de pacientes oncológicos, bem como prevenção. Contudo não trata o Blog do que não lhe é pertinente: fazer o papel de médicos especialistas. Procure sempre um especialista da área que busca informação. Informação é sempre a melhor ferramenta. Converse com seu médico.